Coleção “Química” Martha Reis, volumes 1, 2 e 3 (pdf)

Como uma nova maneira e alternativa de aquisição e doação de livros de química para todos, decidi compartilhar alguns livros a partir de agora. Neste caso estou compartilhando os livros da coleção de Química da autora Martha Reis, cujo os volumes 1, 2 e 3 para todos os alunos, estudantes e interessados em ampliar o seu material. Caso possuam o interesse em algum outro material é só comentar. Segue o link dos livros em formato PDF:

pnld2015_quimica_martha

Química vol. 1, 2 e 3 – Martha Reis

Anúncios

Afinal, o Que Muda Com a Troca do Consórcio Aplicador do Enem?

No mês de junho o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) anunciou a troca do consórcio aplicador do Enem, que antes era responsabilidade do Cebraspe – Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação, Seleção e Promoção de Eventos Vinculado a UnB – e agora passa a ser feito pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), Cesgranrio e Fundação para o Vestibular da Universidade Estadual Paulista (Vunesp).

Com a novidade, muitos candidatos ficaram em dúvida e entraram em contato com nosso Portal questionando se haveria mudanças no estilo das questões ou até mesmo na prova de redação. Em resposta, a assessoria de comunicação social do instituto afirmou que a elaboração da prova é sua função, confirmando que não haverá mudanças no Enem 2017 apesar da nova contratação para aplicação:

A elaboração do Enem é de responsabilidade do Estado brasileiro, por intermédio do Inep.

Ainda segundo o instituto, o modelo da avaliação continua o mesmo (veja aqui), sendo que FGV e Cesgranrio farão a aplicação e correção das provas objetivas, enquanto a correção das redações ficará a cargo da Vunesp.

Veja as Etapas do Processo de Elaboração, Aplicação e Correção do Enem

De acordo com esclarecimentos do Inep, o processo de elaboração, aplicação e correção das provas do exame nacional passa basicamente por quatro fases distintas, conforme descrito a seguir.

  1. Elaboração: nesta etapa inicial membros do instituto e da Diretoria de Avaliação da Educação Básica, juntamente com professores universitários pré-selecionados, fazem a montagem da prova utilizando questões do banco de dados do instituto;
  2. Diagramação e impressão: fase em que ocorre a configuração (diagramação) na disposição final dos cadernos de provas, além da impressão de todos eles. Tudo ocorre em ambiente com segurança reforçada e sob responsabilidade do Inep e de empresa vencedora de licitação;
  3. Aplicação e correção: é neste momento que as empresas do consórcio aplicador entram em cena, cada uma com sua função específica conforme explicado nesta matéria;
  4. Distribuição: na fase final o Correio distribui os materiais das provas e retorna os cartões-resposta para as mantenedoras.

As provas do Enem 2017 serão realizadas em 5 e 12 de novembro.

Fonte: G1

Afinal, como funciona a Teoria de Resposta ao Item (TRI) ?

Dando continuidade a nossa série de artigos sobre as estratégias de preparação para o Enem 2017, a assunto desta publicação tem como foco a incompreendida Teoria de Resposta ao Item (TRI). Afinal, entender como ela funciona, de fato, é fundamental para traçarmos uma estratégia realmente eficiente para o exame nacional.

Antes de continuarmos, vale ressaltar que este é o segundo artigo da nossa série chamada Estratégias para o Enem 2017, composta por três textos, que são:

  1. Conheça o Modelo de prova do Enem 2017
  2. Como funciona a Teoria de Resposta ao Item (TRI)
  3. Estratégia de Controle do Tempo para o Enem 2017

Caso tenha perdido nosso primeiro artigo, clique aqui para vê-lo na íntegra.

Então, vamos ao assunto de hoje!

O que é Teoria de Resposta ao Item (TRI)

Diferentemente das formas de correções tradicionais, nas quais apenas o total dos acertos é levado em conta, a Teoria de Resposta ao Item (TRI) releva também as habilidades exigidas do aluno e o nível de dificuldade de cada teste.

Dessa forma, a TRI, utilizando funções e modelos matemáticos complexos, consegue estimar a probabilidade de cada participante responder acertadamente a determinada questão. Em outras palavras, por mais incrível que pareça, ela consegue identificar prováveis “chutes” de uma forma bastante precisa.

No caso do Enem, o modelo utilizado foi desenvolvido em 1968 pelo matemático Birbaum. Nele, são avaliados três parâmetros:

  1. poder de discriminação, que diz respeito às habilidades dos alunos.
  2. a dificuldade de cada item (questão).
  3. a probabilidade de acerto ao acaso, popularmente chamado de “chute”.

Como a TRI Consegue Descriminar um Chute?

Antes de tudo, é importante ressaltar que todas as questões da prova são previamente testadas, com a finalidade de conhecer a dificuldade de cada uma delas. Com os dados coletados e com o modelo matemático de Birbaum, são construídas as curvas características de cada questão. Veja abaixo um exemplo desse dessa curva (gráfico 1):

No exemplo acima, o suposto candidato A, que tem uma proficiência estimada de 650, teria aproximadamente 90% de chance de acertar a referida questão.

Mas Como a TRI Define a Proficiência de Cada Candidato?

Através do padrão de resposta de cada participante. Por exemplo, imagine uma prova com cinco questões com os seguintes enunciados:

  • Questão 1 (Proficiência 300): Identifique, entre as figuras abaixo, qual delas é um cilindro.
  • Questão 2 (Proficiência 400): Assinale a alternativa que representa corretamente a fórmula para calcular o volume de um cilindro.
  • Questão 3 (Proficiência 500): Calcule o volume de combustível do cilindro ao lado.
  • Questão 4 (Proficiência 600): O volume de um cilindro é de 60 dm³. Se o raio da base mede o dobro da altura, determine a altura do cilindro.
  • Questão 5 (Proficiência 700): Considere um cilindro de raio r e altura h, cuja capacidade é V. Triplicando-se a altura e dobrando o raio, qual será seu novo volume?

Antes de explicar como o modelo consegue estimar a proficiência de cada participante, vale ressaltar que nos exemplos acima não colocamos as alternativas, pois, neste momento, as mesmas são irrelevantes.

Certamente você percebeu que as questões apresentam dificuldades (Proficiência) diferentes e crescentes. Ou seja, a primeira é a mais fácil de todas e a última a mais difícil. Com isso em mente, considere três alunos (a, b e c) e seus respectivos acertos descritos abaixo:

A – Acertou 1, 2 e 3
B – Acertou 1, 2 e 4
C – Acertou 3, 4 e 5

Note que os três supostos participantes obtiveram três acertos cada. Ou seja, numa prova convencional, todos eles teriam a mesma nota. Entretanto, seja sincero! Qual dos três você gostaria de ter na sua universidade? Antes de responder, vamos analisar o padrão de acertos de cada um.

aluno A teve um padrão de resposta bastante coerente, pois quando se deparou com cinco questões sobre cilindro, ele acertou as três mais fáceis e errou as duas mais difíceis. Já o padrão de resposta do aluno B demonstra uma certa incoerência, afinal acertou a questão 4 e errou a questão 3, que é mais fácil. Quando analisamos as respostas do aluno C, a falta de coerência fica bastante evidente, pois das cinco questões sobre o mesmo assunto, ele acertou as três mais difíceis e errou as duas mais fáceis.

Dessa forma, podemos supor que o modelo matemática designará as seguintes proficiência para cada aluno:

Aluno A: 520
Aluno B: 480
Aluno C: 340

Agora voltamos a pergunta: qual deles você gostaria de ter na sua universidade? Tenho certeza que sua preferência será pelo aluno A.

É importante ressaltar que este exemplo é apenas uma simplificação para tentar ilustrar a lógica que o modelo matemático utiliza para classificar a proficiência de cada participante.

Conclusão

Com a curva característica de cada questão e com o padrão de resposta de cada participante, é possível prever a chance de acerto ao acaso de todos participantes em todas as questões! Fantástico, não é?

Você sabia Que o Sono é Importantíssimo nos Estudos?

Quando somos vestibulandos, escutamos dicas e conselhos de amigos, pais e professores. Em geral, essas pessoas destacam a necessidade da dedicação e os benefícios dos estudantes que conseguem vaga numa boa universidade.

Claro que tais orientações são extremamente válidas e decisivas. Mas, certamente, somente elas não são suficientes. Afinal, ao longo do ano de preparação, diversos problemas e fatores poderão aparecer e você deverá estar preparado física e psicologicamente para qualquer situação nova. Estresse, cansaço e ansiedade. Estes são apenas alguns dos inúmeros obstáculos que talvez precise enfrentar.

E a dica de hoje, embora relativamente simples, visa combater justamente essas dificuldades “menos previsíveis” através de um remédio que não tem contraindicação e que, ainda por cima, é uma delícia. Estou falando de dormir bem!

Antes de esclarecer melhor todos os males que combatemos apenas com “noites bem dormidas”, que tal assistir o vídeo abaixo? Nele você entenderá melhor a importância dessa dica para a sua preparação para o Enem / vestibular.

Percebeu agora? De maneira resumida, podemos afirmar que:

Quem dorme bem consegue fixar melhor os conteúdos que estudou no dia anterior. Também terá muito mais disposição e concentração para as aulas do dia seguinte. E tem mais. As chances de estresse, ansiedade e outros distúrbios emocionais também caem drasticamente.

Isso que é remédio eficiente não acha?

Vale lembrar que os benefícios acima citados são válidos quando pensamos nos vestibulandos e na maratona de estudos que necessitam enfrentar. Mas como destaquei no vídeo, a melhora na qualidade de vida das pessoas que dormem bem vão muito além daquelas acima mencionadas, como o controle de peso e da hipertensão.

Assim sendo, não se esqueça. O sono não é apenas um “por menor” na vida dos vestibulandos. Ele, sem dúvida alguma, é uma das peças mais importantes para se manter bem disposto e emocionalmente equilibrado para enfrentar um ano inteiro de dedicação e sacrifício que terá pela frente.

Portanto, quando sua mãe disser: “Descanse um pouco”, siga o conselho! Ele será muito mais útil do que você imagina!

Fonte InfoEnem.

Entenda Porque os Simulados Fazem Toda Diferença na Sua Preparação Para o Enem

A prova do Enem tem uma característica diferente das provas que realizamos nas escolas. Na verdade, ela deve ser encarada muito mais como um vestibular do que como uma prova propriamente dita. Apenas sua nota não importa muito.

Ainda não entendeu a diferença? Então permita-me contar uma pequena parábola para ilustrar a situação. Depois disso, tenho certeza que irá compreender exatamente a diferença que estou falando.

Dois amigos estavam se aventurando numa floresta e, de repente, um enorme leão começou a correr atrás deles. Durante a perseguição, um deles começou a calçar seu tênis. Intrigado, o amigo perguntou.
– Acha mesmo que, apenas por ter colocado o tênis, você poderá correr mais que o leão?
Prontamente o outro respondeu.
-Não preciso ser mais rápido que o leão. Preciso apenas ser mais rápido que você.

Entendeu agora?

Diferentemente das provas que fazemos nas escolas, que precisamos apenas conseguir uma nota para passar na matéria, no Enem o que importa de fato é o nosso desempenho comparativamente aos outros candidatos. Em outras palavras, você não precisa, necessariamente, “ir bem na prova”. O que precisa é ir melhor que os outros!

Assim sendo, além de conhecer os conteúdos das disciplinas, é importantíssimo se familiarizar com o estilo da prova e das questões. Pode não parecer, mas essa familiaridade lhe trará muito mais tranquilidade e segurança na hora do exame, além de permitir que desenvolva estratégias de resolução e controle do tempo.

Como adquirir essa “familiaridade” com o Enem?

Simples! Faça muitos simulados. A maior quantidade que seu tempo e sua disposição permitirem. E nada de desculpas, pois opções de simulados para o Enem não faltam. Diversos cursinho realizam simulados presenciais e de graça. Caso não esteja disposto à esperar ou não queira sair do conforto de sua casa, a melhor opção é participar de diversas plataformas de simulados online, diretamente no seu computador, tablet ou celular.

Fonte: Infoenem.

Ipea seleciona bolsistas

 

Ipea seleciona bolsistas (Foto: )

A Fundação Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada está com as seguintes Chamadas Públicas para a seleção de Bolsistas: 1- IPEA/PNPD Nº 18/2017: Projeto: “Acompanhamento e Análise da Política de Saúde”. De 28/03/2017 a 06/04/2017; 2- IPEA/PNPD nº 019/2017: Projeto: “Núcleo de Informações Sociais (Ninsoc)”. De 28/03/2017 a 06/04/2017; 3 – IPEA/PNPD nº 020/2017: Projeto: “Resíduos Sólidos: Acompanhamento Crítico do PNRS e Coletânea de Ensaios Setoriais”.

De 28/03/2017 a 07/04/2017. As chamadas referidas encontrão-se disponíveis no site (www.ipea.gov.br) e no endereço SBS. Q. 01 Bloco J, Ed. BNDES 5º andar, sala 518, Brasília – DF.

Fonte: DOL

Nota

CAPES oferece capacitação online

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES oferece, gratuitamente, treinamentos online no uso do Portal de Periódicos a todos os usuários de graduação e pós-graduação das instituições participantes. Os treinamentos são realizados de segunda a sexta, em turnos diferentes, e oferecidos por área do conhecimento. São várias possibilidades à disposição dos usuários do Portal! Além de aprender sobre os tipos de busca e outros serviços disponíveis, os participantes assistem aos treinamentos ministrados por representantes das editoras e sociedades científicas com as quais a Capes assina os conteúdos.

É necessário fazer login no “MEU ESPAÇO” para verificar os treinamentos com inscrições abertas. Havendo vaga, basta clicar e solicitar a inscrição no treinamento desejado. Caso o usuário não possua cadastro na área indicada, deve fazer um clicando em “Novo usuário”. Após a identificação, é essencial retornar à página de “Treinamentos” para fazer a escolha. Outras informações podem ser solicitadas pelo e-mail treinamento.periodicos@capes.gov.br.